Que impostos incidem sobre combustíveis?

Que impostos incidem sobre combustíveis?

O Brasil é um dos países que possuem os combustíveis mais caros de todo o mundo, mesmo produzindo muito mais petróleo que outros países com preços semelhantes. Uma das razões que faz com que nosso país possua combustíveis com preço tão elevado é a alta carga tributária incidente sobre eles. Os postos acabam não tendo muito poder de gerenciamento sobre isso e muitos proprietários, inclusive, apenas sabem o custo final do produto e não conhecem os impostos incidentes nos combustíveis. Por isso, neste post, vamos ver como se apresentam os impostos sobre combustíveis no Brasil:

Incidência tributária nos combustíveis

No Brasil, os combustíveis mais comercializados nos postos são a gasolina, o etanol, o diesel S500 e o diesel S10, e a incidência tributária direta compete ao Estado e à União. Os impostos que incidem sobre a gasolina são a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE), o PIS/Cofins e o ICMS. Este último é o único de esfera estadual, embora seja também quase sempre o mais elevado. Os 2 primeiros são de esfera federal.

O etanol possui apenas a incidência de ICMS. O diesel, não importando o tipo, recebe a mesma incidência tributária da gasolina.

O governo federal estuda um novo projeto de lei que aumentará os valores médios da CIDE apenas para a gasolina, fazendo com que seu preço final fique ainda mais alto. Os valores que serão apresentados a seguir são os que estão em vigor:

Incidência de impostos sobre combustíveis por parte dos estados

O ICMS é o único imposto estadual que se apresenta como componente do preço dos combustíveis, e seu valor varia muito de estado para estado. Considerando valores médios aplicados em cada unidade da federação, o maior percentual na gasolina ocorre no Rio de Janeiro, com 31%, e o menor valor para ICMS está no Amapá, com 24%.

Tratando-se do etanol, os valores variam de 12%, em São Paulo, até 27% em Alagoas, Espírito Santo e Sergipe. No caso do diesel, há 2 tipos diferentes e também 2 valores distintos, mas muito parecidos entre os estados.

O S500 possui maior incidência na Bahia e no Sergipe, com 18%. A menor incidência é no Rio Grande do Sul, com 11% de ICMS. O outro tipo, o S10, possui valores percentuais de ICMS variando entre 10% no Rio Grande do Sul e 17% no Acre, na Bahia, no Mato Grosso do Sul, em Pernambuco e em Roraima.

Incidência de impostos sobre combustíveis por parte da União

A União é responsável pela CIDE na gasolina, que possui percentual médio de 2% em todos os estados. Os valores de PIS/Cofins variam pouco, de 7% a 9% em todos os estados. No caso do etanol, não há incidência de impostos federais.

No caso do diesel S500, o PIS/Cofins possui incidência média de 8% em quase todos os estados, ficando apenas São Paulo com 9% e Acre, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Roraima com 7%. Para o diesel S10, quase todos os estados possuem incidência de 8%, ficando com 7% apenas Acre, Amapá, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia e Roraima.

O impacto dos impostos no preço final dos combustíveis é alto, chegando a 41% na gasolina, 27% no etanol, 28% no diesel S500 e 27% no diesel S10. Os proprietários de postos não podem alterar a incidência dos impostos sobre combustíveis, sobrando para eles apenas a tarefa de gerenciamento de suas atividades operacionais.

Entendeu um pouco mais sobre como se constrói o preço da gasolina do seu posto de combustível? Ainda tem alguma dúvida? Deixe um comentário para nós!

 

Gostou do texto?

Receba tudo no seu email! Prometemos não enviar spam!

Confira também

4 comentários em “Que impostos incidem sobre combustíveis?”

  1. Gilmar m. Guimarães disse:

    Acho q deveria tirar todos os impostos dos combustíveis a Petrobras distribuir p os postos com o valor mínimo e tabelar p o preço cair seria a solução todos NÓS ganharmos.fato

    1. admin disse:

      Obrigado por acompanhar o nosso blog! O Minaspetro também não é favor de tantos impostos, contudo, como entidade sindical o Minaspetro está proibido, por força da Lei 12.529/2011 e das reiteradas decisões proferidas pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica – CADE, de monitorar, pesquisar, coletar ou divulgar preços de combustíveis praticados por postos revendedores, sob pena de abertura de processo administrativo para a apuração de eventual infração da ordem econômica. Além disso, os preços dos combustíveis são livres desde a edição das Portarias Interministeriais 294/97 e 240/2011. Portanto, o Sindicato não interfere, não sugere e tampouco influencia os preços praticados pelos postos de combustíveis, zelando sempre pela livre concorrência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X Cadastre-se Faça seu cadastro e receba no seu email tudo sobre marketing digital! Não enviaremos spam!